Entre ou cadastre-se para ter acesso à Bíblia completa, ferramentas de estudos e buscas

  Página principal




Em que os muçulmanos acreditam?

Por Francisco Barbosa Ribeiro, em 11/03/2018, 13:54h

Devemos fazer amizade com aqueles que praticam o Islã, mas, para isso, precisamos entender o que eles acreditam.

Jesus nos disse para sermos o sal da terra e a luz do mundo (Mateus 5: 13-16). Quando interagimos com pessoas cujas crenças diferem das nossas, nos tornamos o sal com nossa amizade. Não importa o que seu amigo acredite, você pode servir, ouvir e amar.
Ser direto sobre suas diferenças religiosas no contexto de sua amizade deve ser leve. Em um mundo cheio de escuridão, não teria muito sentido manter 50 luzes em uma sala para sempre, assim como não faz muito sentido buscar amizades apenas com outros crentes. A luz faz o seu trabalho quando penetra na escuridão, o que significa que fazer o nosso trabalho como cristão significa que precisamos encontrar as visões opostas dos outros. Felizmente, o desacordo não inibe a nossa capacidade de fazer amizade e amar alguém. Mas precisamos entender visões opostas para amar os outros e compartilhar melhor a verdade. Com isso em mente, existem diferenças distintas entre o Islã e o Cristianismo.
Como uma visão geral simples de uma questão muito complexa, eu ofereço três áreas em que a diferença de crenças cristãs e muçulmanas está definindo. Essas idéias podem ser um ponto de partida para conversas com seu amigo.
Primeiro, no Islã, Deus (Deus) é totalmente incognoscível. Pensar em termos de um Deus que pode ser conhecido e que deseja um relacionamento com suas criaturas é realmente considerado blasfêmia nas crenças islâmicas. Ele é um Deus distante que deve ser temido. No lugar do relacionamento, só há apresentação. Deus apenas revela sua vontade, não ele mesmo, daí a prática muçulmana de orações rituais. Estas orações memorizadas são oferecidas cinco vezes por dia para apaziguar uma força transcendente sem interesse pessoal em suas criaturas.
Contraste com o Deus da Bíblia, que se revela, toca na porta de nossos corações e nos encoraja a entrar em um relacionamento cada vez maior com ele. Ele nos chama de "amigos" (João 15:15).
Em segundo lugar, o Islã exige uma adesão rigorosa às boas obras como meio para chegar ao céu. No nascimento, as pessoas são consideradas sem pecado com potencial espiritual ilimitado, se respeitarem fielmente os ensinamentos de Deus, como refletido pelas palavras do profeta Muḥammad. São boas obras que abrem as portas a um dos sete níveis diferentes do céu. Mas não há nenhum defensor a interceder com Deus quando se faz falta ao nível das boas obras necessárias.
No cristianismo, é somente através do sangue de Jesus Cristo que estamos em relação com Deus, e recebemos a promessa da vida eterna. As boas obras brotam desse dom de relacionamento com Deus através de Jesus; eles não são os meios para o relacionamento.
Em terceiro lugar, enquanto o Islã reconhece Jesus como um profeta, rejeita sua divindade e afirma que Muhammad é realmente o profeta superior de Deus. Ele é considerado como tendo trazido a revelação final de Deus. O Alcorão (3: 59-60) diz que Jesus foi, como Adão, criado a partir do pó.
Contraste isso com a própria afirmação de Jesus de que ele é o único caminho para Deus (João 14: 6), e que ele e Deus Pai são um (João 10:30). A divindade e a reflexão de Jesus como a revelação final de Deus são fundamentais para o que significa segui-lo.
Você tem um excelente começo simplesmente abraçando um relacionamento com seu amigo muçulmano. Agora, adicione luz a essa amizade, ouça e participe de conversas em torno da verdade. Certifique-se de respirar orações a Deus sobre suas conversas, e lembre-se, a verdade é melhor falada com amor, humildade e não precisa levantar a voz; a amizade fala por si mesma.

0

Comentários

Nenhum comentário