Página principal




O que causa nossas lutas e brigas?

Por Jurandir Marques Machado, em 12/03/2018, 12:39h

O que causa lutas e brigas em nossas vidas? Você pode prontamente ler sua Bíblia nas primeiras linhas de Tiago 4 para a resposta:
Donde vêm as guerras e contendas entre vós? Porventura não vêm disto, dos vossos deleites, que nos vossos membros guerreiam? Cobiçais e nada tendes; logo matais. Invejais, e não podeis alcançar; logo combateis e fazeis guerras. Nada tendes, porque não pedis. Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. (Tiago 4: 1-3)
Nós queremos. Nós somos desejos. Nós somos motivados por desejos. E os desejos, conduzidos por desejos não controlados, encontram-se em muitas lutas - algumas lutas sangrentas, mas principalmente lutas invisíveis, lutas não físicas, o tipo de aversão interna em relação aos outros, uma panela de ácido fervente que simula sob a superfície e raramente faz borbulhar e explode em desdém verbal.
Sob a superfície é onde nós amamentamos esse mingau insidioso de anseios mundanos para o que os outros possuem: uma certa casa, carro ou salário, ou físico, ou cônjuge, ou antecedentes, ou presente espiritual, ou presente, ou habilidade. "Se apenas . . ." nós pensamos.
Nós desejamos e nós cobiçamos e nos tornamos lutadores. Nós lutamos porque somos desejos, e queremos coisas erradas.
Agora, se pararmos aqui, podemos ter o valor do nosso dinheiro: uma profunda atração psicológica da cortina no coração humano. Mas se pararmos aqui, ainda não respondemos a questão mais importante. O que impede nossas lutas e brigas?
No início, parece que a solução deve estar impedindo nosso desejo . Nós pensamos que, se nossos corações forem livres de desejos, nossas vidas serão livres de conflitos. Isso pode ser teoricamente verdadeiro, mas nunca acontecerá. O próprio Deus "anseia com ciúmes" (Tiago 4: 5). E porque somos criados à imagem de Deus, ansiamos também. Não podemos ser diferentes. Não há desligamento para nossas vontades. Não podemos desligar nossos desejos. Mais uma vez, fundamental para a nossa natureza, somos desejos. A alma mais pacífica e a alma mais beligerante do planeta são ambas impulsionadas pelo desejo.
Então, devemos pressionar mais fundo. O próprio Tiago nos pressiona mais fundo enquanto ele continua escrevendo:
"Todavia, dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos; dá, porém, graça aos humildes. Sujeitai-vos, pois, a Deus; mas resisti ao Diabo, e ele fugirá de vós. Chegai-vos para Deus, e ele se chegará para vós. Limpai as mãos, pecadores; e, vós de espírito vacilante, purificai os corações. Senti as vossas misérias, lamentai e chorai; torne-se o vosso riso em pranto, e a vossa alegria em tristeza. Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará". (Tiago 4: 6-10)
Nossas lutas são rejeitadas por nossos gostos cobiçados de estarem satisfeitos no mundo. Mas o que impede nossas lutas é a nossa proximidade com Deus. O que impede nossas lutas é que queremos ser quem Ele quer que sejamos. O que impede nossas lutas é encontrar nossas almas satisfeitas pelo que acreditamos ser o nosso melhor bem.
A solução para nossos conflitos não é entorpecimento emocional. A solução é despertar para novos desejos. A resolução da nossa fúria é ter almas que são quebradas pelo pecado, lavadas em humildade, e agora não só atraídas para Deus, mas redimidas e criadas amáveis - almas humildes que por sua vez atraem ainda mais o carinho de Deus.
Toda essa atração mútua imerecida é graça para nós. Nós não ganhamos - nós gostamos disso. À medida que nos aproximamos de Deus, nosso maior bem, encontramos nEle a satisfação de que nossa cobiça e nossas concupiscências nunca poderiam ser oferecidas. Nós deixamos nossos desejos vazios e a comparação que dá direção aos nossos corações e, em vez disso, vemos a glória dos santos desejos sedentos pela graça gratificante de Deus. E ele se aproxima.

0

Comentários

Nenhum comentário